“De acolhedora da Palavra a acolhedora da Igreja”

Grupos Semeadores de Esperança | Tema V



(At 16, 11-15)

O acolhimento, mais do que um acto isolado, é um dinamismo multiplicador. Ao longo das suas viagens, Paulo vai sendo acolhido quer pessoalmente quer na Boa Nova que anuncia. O Espírito suscita o acolhimento da Palavra e o acolhimento da Palavra abre-se ao acolhimento daquele que Deus envia como servo da Palavra.


ORAÇÃO INICIAL

Senhor, se quiseres podes curar-nos!…

Sim; rezamos com as palavras que ouviste aos marginalizados e doentes

dos Teus caminhos da Judeia ou Galileia.

Se quiseres, podes curar-nos…porque queremos deixar que nos cures!…

Já muitas vezes fechámos o coração e as portas da vida. E tu passaste,

tocando levemente, à espera que sentíssemos a Tua presença.

Como Jerusalém, não quisemos a sombra das Tuas asas!..

São mais que sete as chaves que não Te deixam entrar: pressa, superficialidade,

rotina, medo, preguiça, fome de sucesso, vontade de poder e

de um lugar ao sol…

Queremos, agora, deixar que nos cures. E, renascidos, sem medo das

cicatrizes, falaremos da Tua misericórdia!..

Amen.


LEITURA DO TEXTO (At 16, 11-15)

11Embarcámos em Tróade e fomos directamente a Samotrácia; no dia seguinte, fomos a Neápoles 12e de lá, a Filipos, cidade de primeira categoria deste distrito da Macedónia, e colónia. Estivemos aí durante alguns dias. 13No dia de sábado, saímos fora de portas, em direcção à margem do rio, onde era costume haver oração.

Depois de nos sentarmos, começámos a falar às mulheres que lá se encontravam reunidas. 14Uma das mulheres chamada Lídia, negociante de púrpura, da cidade de Tiatira e temente a Deus, pôs-se a escutar. O Senhor abriu-lhe o coração para aderir ao que Paulo dizia. 15Depois de ter sido baptizada, bem como os de sua casa, fez este pedido: «Se me considerais fiel ao Senhor, vinde ficar a minha casa.» E obrigou-nos a isso.


PISTAS PARA REFLEXÃO

1. Entre a acção e a contemplação. A oração à beira rio lembra o Salmo 137, “Junto aos rios de Babilónia…” mas o tom é mais idílico. Este encontro de Paulo com as mulheres à beira rio lembra outros encontros bíblicos e, em particular, o encontro e o diálogo de Jesus com a Samaritana (ler Jo 4). Tendo tirado um tempo de repouso, Lídia está sentada juntamente com outras mulheres, Timóteo e Silas a ouvir a mensagem de Paulo. Lídia é simultaneamente Marta e Maria (Ler Lc 10, 38-42), como comerciante de tecidos de púrpura, certamente tinha uma vida muito preenchida mas encontrou o tempo necessário para ouvir a Palavra no ambiente calmo da margem do rio.

2. A casa transformada em Igreja doméstica. Mulher certamente bemsucedida, comerciante com uma casa suficientemente grande para acolher três hospedes e com gente a seu cargo (Cf v. 15). Todavia, ela sabe deixar o frenesim do comércio para acolher a Palavra de Deus, em seguida, acolher os enviados de Deus e fazer da sua casa uma Igreja doméstica. Aliando a vida ativa à vida contemplativa, ela realiza em si o elogio que santo Agostinho faz das duas: “Os dois modos de vida são bons e louváveis, um é laborioso e temporal, o outro é um repouso que antecipa o repouso eterno. Os dois estão reunidos na presença do Senhor que é a fonte da vida.”.

3. Acolher a Graça de Deus. Na pregação evangélica há uma correlação profunda entre a escuta e a Graça de Deus que abre o coração e o inflama. A acção do homem consiste em não resistir a esse fogo que corre como um rio (ler Sl 40).

4. Quem vos recebe a mim recebe. Jesus tinha aconselhado os apóstolos a aceitarem a hospitalidade e quem acolhe é o primeiro beneficiário (ler Lc 10, 7 e Mt 25, 35-38). Por isso, quando um cristão recebe outro cristão, é um membro da Igreja que recebe outro membro da Igreja para grande alegria da Cabeça da Igreja que é Cristo. Cristo tem como prestado a si próprio todo o serviço que os membros da Igreja prestam uns aos outros. Pois, Ele que é a plenitude do Dom, encontra-se, nos irmãos, em estado de necessitado. Esta é a unidade perfeita entre o amor de Deus e o amor do próximo: é verdadeiramente servo de Cristo aquele que serve um membro de Cristo, ele que, numa caridade perfeita, se fez servo de todos.

5. O exemplo apostólico. Todavia, Paulo preferia trabalhar para não ser pesado para ninguém e em particular para aqueles que ele tinha ganho a Cristo pela sua pregação para que esta permanecesse gratuita (ler Ac 20, 34). Lídia sabe encontrar as palavras para convencer os apóstolos. Da mesma forma, também os discípulos de Emaús “convenceram Cristo ressuscitado a ficar em sua casa (ler Luc 24, 29)


QUESTÕES PARA REFLEXÃO PESSOAL

1. Como é que este texto nos exorta a saber encontrar o tempo para repousar em Deus e para ouvir a sua Palavra?

2. Como é que nós abatemos as barreiras que muitas vezes levantamos contra a Graça de Deus?

3. Que imagem da hospitalidade nos dá esta passagem dos Actos dos Apóstolos?


QUESTÕES PARA O COMPROMISSO

1. Como vou encontrar tempo para estar “à beira rio” acolhendo a Palavra de Deus?

2. Como vou ser hospitaleiro à Igreja no serviço mútuo sabendo que sirvo a Cristo que deu tudo por nós?

3. Como vou ser missionário como os apóstolos e acolhedor da Igreja em Missão com Lídia?


CÂNTICO

É tempo de ser esperança É tempo de comunicar, É tempo de ser testemunha de Deus Neste mundo que não sabe amar. (Bis)

LINKS ÚTEIS
CONTACTOS

Residência Paroquial

Rua Dr. Maximino de Matos

Apartado 16

4820-255 Fafe

92 720 18 16

92 748 17 81

NAS REDES SOCIAIS
  • Facebook Social Icon